Elas cantam Vieira

| 29 de abr de 2014 | , |



Acontecerá no próximo dia 09 de maio o show “Elas cantam Vieira”, que celebrará 94 anos que compositor faria 9 de maio. Nossa estrela Alexandra Nícolas estará lá!

Veja parte da publicação do jornalista Zema Ribeiro sobre o evento:

“Falecido em 7 de abril de 2009, obra de Antonio Vieira será lembrada na data em que compositor completaria 94 anos
Elas cantam Vieira: conosco não tem mosquito! é o nome do show que será apresentado sexta-feira, 9, às 20h, em frente ao Memorial Maria Aragão, na praça homônima (Av. Beira Mar, Centro). Subirão ao palco Alexandra Nicolas, Anna Cláudia, Célia Maria, Lena Machado e Rosa Reis para festejar a obra do autor de clássicos do quilate de Cocada, Banho cheiroso e Tem quem queira, entre mais de 300 outras.
A banda que as acompanhará é formada pelos músicos Arlindo Carvalho (percussão), Caio Carvalho (percussão), Celson Mendes (violão), Danilo Miranda (sax alto e clarinete), Fleming (bateria), Hugo Carafunim (trompete), Mauro Travincas (contrabaixo) e Paulo Trabulsi (cavaquinho).

Com apoio da Fundação Municipal de Cultura (Func) e Museu da Memória Audiovisual do Maranhão/ Fundação Nagib Haickel (Mavam), o espetáculo é gratuito, mas recomenda-se a quem for, doar um quilo de alimento não perecível: a arrecadação será destinada a uma instituição de caridade da capital maranhense.”
edit

Em Minas Gerais



Para a nossa alegria, 
Alexandra chega com o seu Festejo em Minas Gerais!

Veja a publicação completa de Ailton Magioli aqui.





Depois da baiana Glória Bonfim, que dedicou o disco Santo e orixá/Anel de ouro à produção solitária do ex-patrão – antes de se lançar cantora ela foi cozinheira do compositor carioca –, agora é a vez de a maranhense Alexandra Nicolas lançar Festejos – Senhora das Candeias do Maranhão, com o qual faz sua leitura da alma feminina de Paulo César Pinheiro.
Afinal, que mulher é essa revelada pela música do compositor, um dos mais proficientes da cena MPB? “É a mulher rural, mesmo. É como se a gente fizesse uma viagem pelo interior do nosso estado e encontrasse lavadeiras, cantadoras, quebradeiras de coco, enfim, a mulher brejeira praticamente em extinção”, afirma Alexandra, que vai do samba à chula, passando pelo coco, samba de roda e outros ritmos brasileiros no CD com seis das 13 faixas assinadas solitariamente por Paulo César Pinheiro.
Segundo Alexandra, o projeto nasceu de um show que ela fez em 2009, no qual havia incluído a porção religiosa do compositor, cantada por Glória Bonfim. “Respeito o candomblé, mas não é a minha religião”, diz a católica, nascida e criada em um estado rico em sincretismo religioso.
RAÍZES: Filha de mãe solteira, criada por três mulheres, Alexandra Nicolas diz ter-se encantado pelo universo feminino de Paulo César Pinheiro. “Costumo dizer que Paulo César canta a minha infância”, emociona-se a artista, que já foi inclusive Imperatriz do Divino Espírito Santo em São Luís, onde mora. Passada a Copa do Mundo, em agosto ela pretende iniciar pelo Rio de Janeiro a turnê de lançamento nacional de Festejos..., elogiado pelo próprio compositor no encarte.
“Abram alas para Alexandra que a festa começou”, escreveu Paulo César Pinheiro, que, mesmo tendo participado da pesquisa de repertório ao lado da cantora, teria se surpreendido com o resultado do CD, em que não falta sequer a oportuna homenagem ao Maranhão, que legou ao Brasil o tambor de crioula e o boi-bumbá, nas faixas Ava Canindé e São Luis do Maranhão.
No mais estão lá Balacoxê de Iaiá, que remete às iaiás do samba dos canaviais do Rio e de Pernambuco; Passista, dedicada às dançarinas dos terreiros das escolas; Coqueiro novo, Coco e Coco da canoa, que, como sugerem os próprios títulos, são produto do mais puro ritmo nordestino, assim como a chula Bisavó Madalena e o samba de roda Roda das sete saias.

Porta de entrada no rico universo feminino do compositor, que não para de surpreender os fãs com sua intensa produção autoral, além da criação solitária de Paulo César Pinheiro, o CD traz parcerias com João Lyra, Wilson das Neves e Roque Ferreira.
edit

Festejos celebra as mulheres brasileiras




O jornalista Mauro Ferreira escreveu sobre o CD Festejos no site Blog Notas Musicais. Confira:


Nicolas celebra no CD 'Festejos' Brasil feminino (e brasileiro) de Pinheiro
Resenha de CD
Título: Festejos
Artista: Alexandra Nicolas
Gravadora: Acari Records
Cotação:* * * 1/2
De sua aguçada vista na cidade do Rio de Janeiro (RJ), o compositor carioca Paulo César Pinheiro enxerga todo um Brasil enraizado em ricas tradições musicais. Um país que, sob a ótica e sob a pena do compositor, continua parado em tempos idos, imune aos sons da modernidade cosmopolita e às bem-vindas influências do universo pop. É esse Brasil cristalizado e romantizado pelos olhos do poeta - um Brasil essencialmente brasileiro - que a cantora maranhense Alexandra Nicolas canta e celebra no seu primeiro CD, Festejos, no qual dá sua voz graciosa a 13 músicas de Paulo César Pinheiro. Baseado no show Senhora das Candeias do Maranhão, estreado em 2009 pela artista, o disco foi gravado em 2013 sob a direção musical da cavaquinista Luciana Rabello e está sendo lançado neste mês de abril de 2014 pela Acari Records. Em Festejos, álbum de caráter atemporal pela moldura tradicional dos arranjos e do inédito repertório de tons regionais, a cantora celebra também a força da mulher neste Brasil brasileiro que mantém seu pé na Mãe-África, evocada em Mironga (Paulo César Pinheiro), música de rítmica sedutora que dá mais uma amostra de que o poeta Pinheiro também é compositor inspirado na construção de melodias. Mulher valente que, no disco, é retratada tanto na figura da Iaiá do Brasil rural enfocado em Balacoxê de Iaiá (Paulo César Pinheiro) - samba que se destaca no repertório - como na pele da centenária e arretada personagem-título de Bisavó Madalena, tema forrozeiro de Wilson das Neves e Paulo César Pinheiro. Ou ainda no molde da bela negra descendente de escravos que hoje mostra na avenida toda sua nobreza, perfilada no samba Passista (Paulo César Pinheiro). Em sintonia com o conceito do CD, Lavadeira (Wilson das Neves e Paulo César Pinheiro) ecoa o canto e a rítmica feminina de um Brasil que ginga nas cadeiras de suas mulheres. Festejos está embrenhado nesse Brasil rural e interiorano, mas também se aproxima do litoral, se banhando nas águas de Dorival Caymmi (1914 - 2008) em Presente de Iemanjá (João Lyra e Paulo César Pinheiro). Entre cocos anunciados já nos títulos das músicas (Coco e Coco da canoa, este composto por Pinheiro com João Lyra) e tambor-de-criola (São Luís do Maranhão, faixa que fecha o disco, trazendo Nicolas de volta às origens natais), Festejos migra para o Recôncavo Baiano, terra da chula, quando abre a longa Roda das sete saias, parceria de Pinheiro com o baiano Roque Ferreira, compositor tão compulsivo quanto o poeta carioca. Por mais que o cancioneiro reunido em Festejos careça de um traço de originalidade, o disco se sustenta bem em seu (en)canto pela permanência e pela louvação de um Brasil já mitificado pela poesia e a rítmica do compositor.


edit

Festejos em evidência

| 19 de abr de 2014 | , , , |

No dia 14 de abril, o CD “Festejos”, da nossa linda Alexandra, ganha destaque na coluna de Mauro Ferreira, do Jornal O Dia, do Rio de Janeiro – RJ.
No dia 15 foi a vez do CD ganhar destaque na coluna de Lançamentos, no Agora São Paulo.

E festejos vai ganhando o Brasil!


edit

Festejos

| 10 de abr de 2014 | , , |


Nossa linda Alexandra está conquistando o Brasil! Hoje, o jornalista João Pimentel, de O Globo, publicou uma bela reportagem sobre Festejos. Confira!!

"Para preparar o repertório do CD, Alexandra teve acesso ao baú de inéditas do compositor Paulo Cesar Pinheiro, e de lá pescou 13 canções compostas em parceria com Wilson das Neves, João Lyra e Roque Ferreira.
Acompanhada por um time de músicos cariocas do primeiríssimo time (Mauricio Carrilho, João Lyra e Pedro Amorim, entre outros) liderado pela cavaquinista Luciana Rabello (também diretora artística do selo Acari Records, que lança o projeto), Alexandra Nicolas ilumina a poesia de Paulo Cesar Pinheiro com interpretações ensolaradas e com pitadas regionais.
O site da cantora traz vídeos, depoimento de Paulo Cesar Pinheiro e outras informações, no http://www.alexandranicolas.com.br/

Alexandra Nicolas

CD Festejos

Já na faixa que abre o lindo CD “Festejos”, a maranhense Alexandra Nicolas entoa os versos de “Mironga”, de Paulo Cesar Pinheiro: “Tem quem bate e faz zoeira/ Tem quem toca como o quê/ Quem comprou tambor na feira/ Esse não sabe bater”. O poeta entende do riscado e jamais abriria seu precioso baú de letras e melodias para uma aventureira qualquer. A cantora chama atenção pela autoridade com que desvendou dentro da obra do compositor o universo feminino, as homenagens às mulheres brasileiras. Às cantadoras, às lavadeiras, à mulher do interior e do litoral como bem diz Pinheiro no encarte do disco. E nessa viagem, é claro que ela encontrou verdadeiros diamantes. O fato de Alexandra ter centrado sua pesquisa na alma feminina do poeta ao invés de restringir, abriu um leque maravilhoso de ritmos, conceituando de forma exemplar o trabalho.
Compositor compulsivo, Paulo Cesar Pinheiro consegue aliar de forma única quantidade e qualidade quando muitos de seus pares de geração se espreguiçam em redes de conforto, de preguiça ou até mesmo de vazio criativo.
Com direção musical da cavaquinista Luciana Rabello e a participação de instrumentistas como os violonistas Maurício Carrilho e João Lyra, o bandolinista Pedro Amorim, o pandeirista Celsinho Silva, entre outros, garantia de arranjos e execuções primorosas, coube a Alexandra mostrar seu talento interpretativo, seu timbre saboroso, o que fez com maestria. O resultado é um dos discos mais bonitos que ouvi ultimamente. Um passeio por sambas, sambas-de-roda, cocos, chulas... Chama atenção o fato de seis das treze músicas serem assinadas apenas por Pinheiro, o que mostra que ele é genial também nas melodias, no conhecimento profundo de ritmos. “Balacoxê de Iaiá” remete às iaiás do samba das regiões dos canaviais do Rio e de Pernambuco; “Passista”, claro, às dançarinas dos terreiros das escolas; já o coco embala a belíssima “Coqueiro novo”, “Coco” e “Coco da canoa”, esta em parceria com João Lyra. Com Lyra ele também assina “Presente de Iemanjá”.
De Pinheiro e Wilson das Neves, Alexandra gravou “Lavadeira”, fez ótimas releitura de “Soberana” e da chula “Bisavó Madalena” (“Nunca vi, vou contar pra vocês/ Dançarina igual minha bisavó/ Madalena com cento e dezesseis/ Não perdia a pisada do forró”). De outra parceria profícua, com o baiano Roque Ferreira, ela pescou o delicioso samba-de-roda “Roda das sete saias”.  Duas músicas fecham o disco de forma magistral, “Ava Canindé” e “São Luiz do Maranhão”, uma homenagem ao estado que nos deu o tambor de crioula, o boi-bumbá e outras tantas manifestações fundamentais da nossa cultura.

Que os santos da música abençoem a voz e o talento de Alexandra!"
edit

Aos Nossos Mestres

| 1 de abr de 2014 | , |


Alexandra Nícolas usou sua página oficial no facebook para expressar sua satisfação em cantar os mestres de sua terra.
Assim falou nossa querida Alexandra:


“Fui convidada pra louvar os mestres na minha terra, louvei Lopes Bogea. Compositor maranhense que cantou a pobreza, a fartura, a vida e a morte. Reverenciou a natureza, o samba, a companheira de uma vida toda. Imprimiu as suas mais sensíveis observações em mais de 300 composições. A minha alegria foi grande! Salve Salve...”


edit
Postagens mais recentes Postagens mais antigas

fasdealexandra@gmail.com

© Design 1/2 a px. · 2015 · Pattern Template by Simzu · © Content Alexandra Nícolas - Fã Clube